Na correria do dia a dia, necessitamos tirar um tempo para meditar nas palavras que Jesus tem para nos dizer, estas palavras se revelam em pequenas e grandes coisas que nos cercam, e podemos aprender muito com elas. Sejamos sensiveis á estas vozes.
 

Voltar ao Menu Mensagem Anterior Próxima Mensagem
43 - Influência Materna

Por isso, jovem, ... nunca deixe de lado o que aprendeu com sua mãe. Prov. 1:8 (A Bíblia Viva).

Eu tinha 20 anos de idade na primavera de 1944, quando Herbie Swick e Richie Green escaparam de nosso campo de concentração japonês para unir-se a forças guerrilheiras. Sempre realista, eu achava que, quando os americanos chegassem para libertar os prisioneiros, os nossos captores matariam aqueles entre nós que tivessem idade para serviço militar, a fim de evitar que nos tornássemos soldados contra eles. Assim, pouco depois que Swick e Green escaparam, aproximei-me de Sonny Woodson, que conhecia bem o país e falava ilocano (a língua falada na ilha) e começamos a fazer planos para fugir.

Descobrimos que podíamos escapar da prisão arrastando-nos através da valeta do esgoto atrás das barracas dos homens. Preparamos secretamente as mochilas e começamos a guardar porções de nossa ração de arroz. O grande problema eram as botas. Depois de dois anos e meio na prisão, nossos sapatos estavam em frangalhos. Mas Sonny teve uma idéia. Havia homens que, antes da guerra, tinham trabalhado em minas de ouro. Tinham botas boas, e Sonny convenceu-os a nos "emprestarem" as botas para uma peça humorística que nós, os jovens, apresentaríamos.

A hora de nossa fuga foi marcada para as 11 da noite de 10 de setembro de 1944. Até algumas horas antes da partida, tínhamos mantido segredo absoluto. Nem mesmo Ralph Longway, meu melhor amigo, sabia de nossos planos. Mas pouco depois da chamada que era feita todas as noites, fui despedir-me de minha mãe. Eu achava que ela ficaria chocada. Em vez disso, ela me olhou dentro dos olhos e disse: "Se você for, os japoneses matarão seu pai e seu irmão. Não vá!"

Quando ouvi isso, entendi que não poderia ir. Ter de contar ao meu amigo que eu não iria mais, foi uma das coisas mais difíceis que já fiz na vida. E como eu não iria, Sonny decidiu não fugir também.
Trinta e dois anos mais tarde, encontrei-me com Herbie numa reunião de ex-internos em São Francisco. Contei-lhe acerca dos nossos planos de fazer parte de seu grupo guerrilheiro e perguntei-lhe quais teriam sido nossas chances caso tivéssemos escapado do campo de concentração. "Vocês simplesmente não teriam tido chance", respondeu ele. "Nós teríamos atirado em vocês, porque vocês não haviam mantido comunicação prévia com a guerrilha. Vocês poderiam ser espiões a serviço dos japoneses. Quando Richie e eu escapamos, nós já havíamos mantido essa comunicação antecipada e obtido permissão."

Influência Paterna
Até a criança se dá a conhecer pelas suas ações, se o que faz é puro e reto. Prov. 20:11.

Uma das mais lembradas máximas de Jesus é: "Pelos seus frutos os conhecereis." S. Mat. 7:20. Estamos acostumados a julgar os adultos por essa regra, mas o que dizer das crianças e, acima de tudo, o que pode o bom exemplo delas ensinar aos adultos?

Com a idade impressionantemente precoce de 4 anos, Nicolaus Ludwig, Conde de Zinzendorf (1700-1760), reformador social e religioso da Morávia, converteu-se a Cristo. Embora seu pai tenha morrido enquanto Nicolaus ainda era bebê, sua mãe lhe contou acerca da devoção que ele nutria por Cristo. Suas agradáveis conversas causaram profunda impressão na jovem mente. Um pouco mais tarde, as palavras de um hino também exerceram influência profunda sobre a vida dele ("Tu és nosso Pai querido, pois Jesus é nosso Irmão").

"Aquelas palavras", diz o biógrafo citando Zinzendorf, "me impressionaram muito quando eu tinha quatro e cinco anos de idade; pensei que, de acordo com elas, todos nós tínhamos o direito de falar com o Salvador como com um irmão." A biografia dele também relata como, durante a infância, ele escrevia cartas para Jesus e as soltava, adejando, pela janela do segundo piso de sua casa, com plena certeza de que seu Salvador as receberia e leria. E quem pode dizer que aquelas cartas, ou pelo menos o seu conteúdo, não chegaram ao Destinatário e foram lidas? (Ver S. Mat. 18:10 e II Reis 19:14.)

Com apenas 22 anos de idade, Zinzendorf abriu sua propriedade na Saxônia para os perseguidos irmãos da Morávia e ajudou-os a fundar a Colônia Herrenhut naquelas terras. Posteriormente, uniu-se a eles na sua crença. Em 1736, recebeu a ordem de sair da Saxônia por causa de suas atividades religiosas. Dali em diante, por muitos anos, andou viajando e disseminando as crenças da Igreja da Morávia. Seus postulados teológicos exerceram uma influência benéfica e marcante sobre o protestantismo do século dezenove - e quase tudo se originou com a educação recebida na tenra infância.

Instruir Crianças
Tua esposa, no interior de tua casa, será como a videira frutífera; teus filhos como rebentos da oliveira, à roda da tua mesa. Sal. 128:3.

Samuel Taylor Coleridge conversava certa vez com uma senhora que defendia a idéia segundo a qual as crianças não devem receber instrução religiosa; devem ser deixadas a crescer "naturalmente". Desse modo, elas tomariam decisões mais "maduras", mais "racionais", porque saberiam melhor o que estavam fazendo. Essa filosofia parece plausível, mas certas coisas podem parecer plausíveis e ainda assim constituir uma falácia.

Coleridge escutou enquanto aquela mulher falava, e pouco disse. Depois, convidou-a a dar uma voltinha pelo jardim. Conduziu-a a um recanto de seu pátio onde cresciam apenas ervas daninhas.
- O que acha do meu jardim? - perguntou o poeta. - Não é bonito?
- Jardim? O senhor chama isso de jardim? Eu diria que é um canteiro de ervas daninhas.

- Bem - explicou Coleridge. - Algum tempo atrás, decidi não interferir no direito que essas plantas tinham de crescer como bem quisessem, até atingirem a maturidade.

A visitante entendeu.

Tive alguns familiares que apoiavam essa filosofia laissez faire. Não foi surpresa o fato de que os filhos deles não adotaram nenhuma religião depois de adultos. Os pais se esqueceram de que uma vez defenderam e praticaram essa filosofia. Hoje lamentam o fato de que seus filhos caçoam da religião, não têm escrúpulos morais e se rebelam contra toda autoridade.

Incutir princípios cristãos na mente das crianças não garante que elas os adotem. Afinal de contas, os seres humanos foram criados com o poder da escolha e alguns, infelizmente, fazem a escolha errada (ver Jos. 24:15 e Rom. 14:12). Mas uma criação adequada aumenta as probabilidades. Se, apesar da orientação cristã no lar, os filhos ainda tomarem o caminho errado, os pais podem pelo menos ter a satisfação de saber que fizeram o melhor ao seu alcance.
O Poder da Influência de um Pai
Tão-somente guarda-te a ti mesmo, e guarda bem a tua alma, que te não esqueças daquelas coisas que os teus olhos têm visto, e se não apartem do teu coração todos os dias da tua vida, e os farás saber a teus filhos. Deut. 4:9.

Alguns anos atrás, cinco rapazes da Pensilvânia saíram de casa e partiram para o Noroeste dos Estados Unidos para começarem vida independente. Lá chegando, descobriram liberdades que nunca tinham conhecido. As tentações eram abundantes de todo lado. Encontraram emprego, ganharam dinheiro e depois de alguns anos voltaram para a casa paterna. Quatro deles, depois dessa experiência, voltaram muito piores espiritualmente. Mas um era diferente. Voltou física, mental e espiritualmente mais forte. Quando lhe perguntaram por que não havia seguido o caminho dos outros, respondeu: "Porque levei uma fotografia comigo."

Você talvez esteja imaginando que foi a foto da noiva que ele deixara para trás na Pensilvânia. Mas não. Contou ele: "Foi a foto de minha última manhã em casa. Estávamos todos sentados ao redor da mesa, na hora do desjejum; papai em uma extremidade, mamãe na outra e nós, os filhos, em volta. Não conversamos muito naquela manhã. Todos entendíamos que o círculo familiar estava-se rompendo.

"Depois do café da manhã, papai tomou a velha Bíblia da família, como era seu costume, e começou a ler. Não conseguiu ler muito. Sua voz falhou e ele não pôde continuar. Então nos ajoelhamos para a oração, e mais uma vez a voz dele falhou. Foi essa a fotografia mental que me impediu de cair nos maus caminhos. Durante o tempo em que estive fora, não pude suportar o pensamento de partir o coração de meu pai.

"O lar onde cresci foi um lar feliz. Embora a influência de minha mãe tenha sido profunda, a influência mais poderosa sobre minha vida foi a de meu pai.

Resgate de um Poço de Perdição
Tirou-me de um poço de perdição, dum tremedal de lama; colocou-me os pés sobre uma rocha e me firmou os passos. Sal. 40:2.

Alguns anos atrás, Tommy Stage, um menino de 7 anos de idade, caiu acidentalmente num poço de 8 metros de profundidade. Na queda, sofreu fraturas múltiplas nas pernas. Felizmente, seu pai não estava longe e presenciou o acidente.

Quando viu Tommy cair, o Sr. Stage correu até à boca do poço e ouviu seu filho gritar:

- Papai, tire-me daqui!

- Não se preocupe, filho - respondeu o pai. - Não fique com medo. Vou puxá-lo para fora tão rápido quanto for possível. Agora ouça: vou telefonar pedindo ajuda e voltarei em seguida. Encoste-se contra os lados do poço para não afundar ainda mais.

Uma equipe de resgate chegou e baixou uma corda para Tommy. O pai do garoto deu-lhe instruções específicas sobre como amarrar a corda sob seus braços e prendê-la com segurança na frente, com um nó. O menino obedeceu e foi levado à superfície uns 45 minutos depois de ter caído.

Mais tarde, os repórteres perguntaram ao Sr. Stage como era que seu filho seguia suas instruções tão fielmente, com tão pouca idade. Ele simplesmente respondeu:

- Tommy sempre foi bom no que se refere a cumprir ordens.



Ligue o som
 
 

Compartilhe abaixo com seu amigos do facebook ou Twiter esta Mensagem.

 

Conheça a Bíblia MP3, Sermões e Hinos MP3 para Download:

Biblia MP3 em CD-ROM
Programas Evangelicos
Mensagens Evangelicas